Antiguidades de hoje (IV)

Pedido

Meu amigo e senhor. Disse Vocência,
Que uma vez na semana era fatal
À sua mesa o prato nacional,
O pitéu do Brasil por excelência;

Mas preparado de maneira tal,
Por suas próprias mãos, que em consciência
Apesar da real magnificência,
Nunca o imperador provou igual!

Seguiu-se a descrição minuciosa;
Mas temendo passar por indiscreto,
Não me atrevi a dizer nada em prosa;

Em verso o caso é outro; e num soneto
Todo o arrojo é lícito! Uma coisa:
Manda-me um prato do seu feijão preto!?

João de Deus, Campo de Flores,  1893.