Marina Abramovic: ‘Manifesto sobre a vida do artista’

1. a conduta de vida do artista:

– o artista nunca deve mentir a si próprio ou aos outros- o artista não deve roubar ideias de outros artistas
– os artistas não devem comprometer o seu próprio nome ou comprometer-se com o mercado de arte
– o artista não deve matar outros seres humanos
– os artistas não se devem transformar em ídolos
– os artistas não se devem transformar em ídolos
– os artistas não se devem transformar em ídolos

2. a relação entre o artista e sua vida amorosa:

– o artista deve evitar apaixonar-se por outro artista
– o artista deve evitar apaixonar-se por outro artista
– o artista deve evitar apaixonar-se por outro artista

E passim. Tirado daqui, com todas as vénias à Anita.

Anúncios

Tàpies sobre João Cabral

Foi muito interessante conhecer João [João Cabral de Melo Neto, 1920-1999], porque isso se deu em um momento em que havia muita discussão em torno de poesia e arte. Questionava-se muito se os poetas e os pintores deviam fazer um trabalho social e político. As opiniões de Cabral eram muito acertadas. […] Para mim, ele era alguém um pouco mais velho que, naquela época, foi como um modelo, um exemplo muito interessante dentro dessas polêmicas.

João Cabral foi de grande ajuda para os jovens. Ele chegou a me apresentar, junto com outros artistas [Joan Ponç, 1927-1984, e Modest Cuixart, 1925-2007], em uma exposição no Instituto Francês de Barcelona [1949]. Escreveu um texto muito bonito do qual sempre me lembro. Mas foi importante sobretudo porque nos dava a oportunidade de ir à sua casa para, em plena ditadura [o franquismo, desde 1939], discutir diversos temas, inclusive a situação política da Espanha.

Tirado daqui.